quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

O Verdadeiro Espírito do Natal

Naquela véspera de natal, antes da meia-noite, dei uma escapada e fui curtir o mar, a lua cheia a paisagem e ainda pescar alguma coisa. Eu tava sozinho com duas garrafas de whisky 12 anos, a família em casa, era só eu comigo mesmo, todo mês de dezembro eu me acabo, bebo meu décimo terceiro até o fim. Mas deixa eu te perguntar uma coisa, você conhece o espírito do natal? O verdadeiro espírito natalino? Já viu? Não? Eu já vi, então vou contar como foi. Naquela noite eu parei com o meu barco perto de uma ilha deserta, é um lugar conhecido pelas lendas daqui da região, dizem que o diabo vive lá, mas eu não acredito. Bom, com a água calma, joguei a linha, acendi um cigarro, dei um gole do whisky, bem demorado, no gargalo, quando de repente, a vara começou a envergar, deu uma puxada violenta que quase me levou pro mar e detrás de uma pedra, surgiu uma coisa que parecia ser um peixão, um bagre monstruoso, gigantesco, do tamanho de um navio, o dorso cascudo feito uma lagosta a barriga verde cheia de escamas os olhos eram duas bolas de fogo a boca maior que a de uma baleia, toda cheia de dentes, uns dentes enormes, tinha mais dentes do que cem tubarões juntos, umas patas compridas de carangueijo e tinha barbas iguais as de um camarão. Fui puxado e arrastado até a ilha, consegui parar na praia, o monstro se ergueu com as patas prá cima e começou a vomitar e a defecar na areia e em cima de mim. Eu vi todos os natais que passei com a minha familia desde criança sairem da barriga do bicho feito uma gosma das mais nojentas, uma meleca podre, fedorenta que não tinha fim, misturada com meus avós, meus pais, meus irmãos, meus professores, minhas tias, todo mundo estava na barriga do monstro e o animal vomitava as tripas sem parar, defecava toda a minha familia, meus amigos, minha mulher, minhas namoradas, meus patrões, tudo!! Meu amigo...foi a coisa mais horrível que eu já vi! Vieram todos os presentes de natal que eu ganhei, que eu dei, todos os jantares, as árvores, os perus, as castanhas, os copos as garrafas e até o Papai Noel saiu do meio do vômito! O bicho botou tudo prá fora! Entrei no maior desespero mas felizmente eu consegui fugir, voltei nadando até o continente, sem o barco e sem o whisky só com a roupa do corpo. Eu já contei essa estória por aí, mas ninguém acredita, acham que eu bebi demais, fumei o que não devia...o que esse pessoal não sabe é que o natal é isso mesmo, é prá beber até botar todos os outros natais prá fora, vomitar e defecar tudo, esse é o verdadeiro espírito do natal.

3 comentários:

Priscila Andrade disse...

Olha, pra mim não existe espírito do Natal.

Existe o meu (nosso, que seja) estado de espírito. E o espírito de porco. Que é o que as pessoas em volta tem.

Não consigo me acostumar com essa data. Essa mobilização, essa falsa harmonia que rola pra se manter uma tradição.

Me incomoda por demais.

Fora isso, como vão as coisas?

Louis Alien disse...

texto fodido esse.
espírito natalino? não conheço pessoalmente. mas recebi hoje um bônus no estágio chamado de "bolsa natalina".
enquanto os outros mortais consomem desenfreadamente, e compram presentes que vão pagar em 12x sem juros, eu fecho os olhos e ajeito minha vida.
presente ausente, ausencia justificada monetária diante da ávida sede de consumo tão arbitraria. presente presente em presente a presentear quem te detesta anualmente,anal mente de natal.

Louis Alien disse...

whisky whisky...